segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Capitulo 08





Operação Invasão



A grama macia verde bailava com as lufadas vento em perfeita sincronia, a fragrância reconfortante das flores retirava levava qualquer um as nuvens por sua doçura e a qual denominam Árvore da Vida jazia como um verdadeiro monumento ao qual se poderia observar durante milênios. Aquele lugar exalava uma energia tão poderosa que a pessoa mais infeliz rechearia seu coração de felicidade e paz interior infinita.

Porém a segurança dali era realmente eficaz, chegando a ser surreal. Uma cúpula dourada resplandecente contornava á área tornando interditada, apenas os fatores climáticos penetravam a barreira mágica. Além da função de proteger o local, ela tornava impossível visualizar seu interior, apenas a árvore colossal era vista. Mas quando a dama Slade tocou-a levemente uma ondulação, semelhante a ondas, se formou, e de repente, uma nova figura surgiu.

 Uma construção moderna apareceu envolta da grande árvore. Sua estrutura era composta de metal, nas paredes, e vidro, nas portas e telhado, sendo que as raras janelas eram persianas. Antenas brotavam no topo, oscilando constantemente a procura de algum sinal, enquanto alguns fios pareciam sugar a inesgotável fonte de energia da Árvore da Vida.

Subitamente, quando os viajantes ainda tateavam a proteção, curiosos, ela piscou três vezes, em intervalos de vinte e quatro segundos, até que cedeu. O chão tremulou. Pidgeys alçaram vôo, assustados, deixando um rastro de penas por sua trilha. Alarmes soavam do interior da construção, ao mesmo tempo em que uma voz robótica bradava em comando.

Um batalhão vestido com roupas escuras evacuou a área em um par de fileiras uniformes, marchando como se estivessem indo em direção a uma guerra. As vestes dos integrantes eram compostas de botas e luvas acinzentadas, que os protegia de alguns danos específicos, blusas negras de malha, melhorando a locomoção, calça do mesmo material - saia curta para as mulheres – e boinas. Em seus corações carregavam o símbolo “R”.



Formaram uma espécie de barreira humana envolta do lugar, mantendo feições rígidas e concentrada, atentas a qualquer movimentação suspeita. Suas pokebolas já estavam em mãos, disponível para ser usada a qualquer instante. Seria quase impossível penetrar aquela defesa sem ser percebido.

O sol do entardecer tingia os céus de cor de abobora que com a companhia do branco das nuvens e o verde da natureza formava uma belíssima tela de pintura. Os pokemons insetos começavam a se recolher, preparando-se para a noite gélida e escura que haveria de chegar a qualquer momento.

Os homens permaneceram estagnados durante todo o resto da tarde. Nada de anormal aconteceu durante este período.Red, Leaf e Rick escondiam-se em uma gorda moita, espiando o batalhão em sua frente, pois estavam com medo de serem vistos e apanhados inocentementes.

-Pessoal,penso que estamos lidando como a fameuse Team Rocket.

-Essa não é a facção da qual aquele cara falava, o nome era... Blue!

Blue fora um garoto que havia se debatido com Red e Leaf na Rota 01, os salvando-os de uma mortal enchente causada por um furioso Gyrados.Ele era um detetive, que dedicava-se particularmente a Equipe Rocket.

-Esses criminosos ganharam certa fama em nossa em la viile de Veridian, após nosso 
antigo Lider de GYM ser descoberto como um integrante.

-Então vou dizer boas coisinhas pra esses marginais -Leaf se levantou, mas foi repreendida por seus companheiros- Nem tentem me impedir!Eles vão pagar caro pelo que me fizeram sofrer naquele dia. Até hoje sinto dores de cabeça.

-Leaf, eles são perigosos. As coisas estão realmente estranhas... Porque eles haveriam de retirar aquela proteção?E o soar dos alarmes não deve ser coisa boa... Algo está errado - disse Red, puxando sua amiga para baixo.

-Verité. Pensando bem, eles devem possuir algum alçapão ou saída de emergência- falava á Red e Leaf, que permaneciam atenciosos- Pois penso que eles não iriam desativar a barreira a todo o momento caso precisassem sair.

-Então vamos procurá-la. Precisamos nos infiltrar!-exclamou Red.

Longdon libertou seu Cubone para a missão de busca. Um pokemon de pele marrom que carregava um capacete e um bastão de osso como armas. Suas características do tipo terrestre lhe dava a habilidade de sentir variações de níveis no solo. O que se tornou extremamente útil naquela ocasião. Pois em poucos minutos eles encontraram um alçapão, camuflado com grama sintética, no chão.

Ele dava acesso a um túnel no subsolo por intermédio de uma pequenina escada de metal enferrujada. Raízes brotavam do teto incansavelmente, a umidade deixava o ambiente mofo tornando o ar rarefeito, e as goteiras importunas conseguiu uma repudia por parte de Leaf e Cubone. Seguiram por um caminho sinuoso até alcançar o fim, onde outra escada os aguardava. Eles empurraram a porta do alçapão com dificuldades, mas quando o fizeram se depararam com um cenário diferente.

Eles estavam dentro da construção que se assemelhava a um centro de pesquisas. Portas brancas se espalhavam pelas paredes, o clima se tornava ligeiramente frio por conta dos ares-condicionados, enquanto algumas câmeras observavam cada metro ³ do local.O piso era de porcelanato e as paredes possuía algumas molduras de gesso em seus extremos.Tudo estava estranhamente calmo e silencioso.

Eles ouviram estampidos de passo vindo ao longe. Eufóricos, abriram a primeira porta que encontraram e adentraram-na. Foram surpreendidos de imediato por um garoto de cabelos alaranjados e roupas socais que segurava um pedaço de metal como um bastão de Beisebol.

 -Blue!

-Red,Leaf, o que fazem aqui?E quem é esse?

-Esse é o nosso novo companheiro, Rick Longdon - Blue e Rick se cumprimentaram com um aperto de mãos- E nós encontramos este lugar por acaso e resolvemos... Explorá-lo.

-Não sabem como isso aqui é perigoso. Essa é a base secreta da Equipe Rocket.

-Deduzimos pelo grande R na entrada - comentou Leaf – Mas o que você faz aqui?

-Estou tentando impedir que eles façam a maior loucura do planeta, alteração genética de pokemons.

-O que?-perguntaram sincronizados.

O detetive não respondeu. Ele levou-os pelos corredores até outra sala no fim do corredor. Antes de sair, Red pode reparar melhor o cômodo em que estavam. Havias varias maquinas que estavam interligadas em alguns pokemons psíquicos dentro de capsulas por intermédio de fios em suas testas. Os pokemons demonstravam exaustão. O treinador cogitou que eles seriam os responsáveis pela proteção do local.

A outra sala era um quarto do terror. Vários corpos mortos se propagam pelo piso ensangüentado, os vivos se debatiam em suas capsulas, como se estivesse sendo esfaqueados por algo invisível. Todos eram anomalias: possuíam partes do corpo deformadas, características de outros seres ou alguns membros alterados. Leaf vomitou com a cena desprezível.

Em uma capsula isolada, com um conteúdo liquido borbulhante, um pokemon verde repousava inconsciente. Assemelhava-se a um louva-deus, com um par de asas nas costas de laminas afiadas onde deveria haver braços.



Red pegou sua pokedex para verificar as informações.

-Scyther, o pokemon louva-deus. Ele geralmente não é visto entre humanos, o que o torna uma criatura bastante selvagem e ás vezes mortal por conta de suas laminas afiadas.

-Horrible. O que é isso tudo?-perguntou á Blue.

-Essa é oficina de criação da Team Rocket. Eles pretendem aumentar a potencia dos pokemons através de fusões dos mesmos- disse tristonho.

-Mas porque está tudo tão vazio?Não deveria haver pessoas trabalhando aqui?

-Depois que eu destruir suas defesas psíquicas, eles estão evacuando a área.

-Precisamos detê-los o mais depressa o possível. Estes marginais não ficaram impunes!-exclamou Red, com olhar serio.

-Cubone, Bone Club.

Cubone avançou na capsula que abrigava o louva-deus, quebrando-a com vários golpes com seu taco de osso. O liquido escorreu, encharcando o chão, Scyther cambaleou aturdido. Demorou algum tempo para que seus olhos re-acostumassem novamente com a claridade, mas assim que se recuperou lançou um olhar feroz aos humanos.

-Calma amigão. Estamos aqui para ajudá-lo- Blue se aproximou do pokemon esverdeado, afagando-o na cabeça, ganhando assim a confiança do monstro.

-Como conseguiu acalma-lo?- perguntou Red, desacreditado no que acabara de presenciar. Geralmente Scythers não são domesticáveis.

-Essas são as proezas da Árvore da Vida, meu caro. Ninguem é capaz de ter emoções negativas no coração quando se está próximo a ela- respondeu ele, apreciando o teto. Red iria questionar , mas ele logo se antecipou – A Team Rocket não tem coração, se essa for sua pergunta.Agora estamos atrasados.Vamos!

Juntos, seguiram pelos corredores da QG dos Rockets. Foram obrigados a verificar todas as salas, vazias, que abrigavam diversas cenas surreais. À medida que avançavam figuras esculpidas de Persians aumentavam cada vez mais assim como o numero de salas secretas. Quando chegaram ao centro, podiam ver com clareza a Árvore da Vida, e a sensação de paz interior se intensificou tanto que se elevaram a alucinações.

Red se imaginou em uma biblioteca com diversas estantes gigantescas entupidas de livros dos mais variados assuntos. Leaf viu-se em um shopping carregando diversas sacolas, tomando um Milk Shakes com suas amigas. Já Rick estava em uma sala de aulas cheia de crianças travessas enquanto ele pintava um quadrado abstrato. Por fim Blue teve a ilusão de está lendo uma matéria de jornal cujo titulo era: BLUE OAK DEMASCARA TEAM ROCKET.

-Isso é o paraíso!-sibilou o moreno.

Blue conseguiu por alguns segundos a noção de realidade, por ser o mais distante da árvore, e deu-se uma bofetada no rosto, acordando completamente do transe. Não sabia quanto tempo havia perdido, mas sabia que todo e qualquer segundo era crucial. Levou seus amigos para o local mais distante possível, fazendo grandes esforços para não se afetado pelos poderes ilusórios. A determinação o movia.

Chegaram até um corredor escuro como breu, sem qualquer foco de luz. Tatearam as paredes até encontrar uma porta e abriram-na. Assim como o corredor a luz era escassa, apenas um pequeno espaço era clareado pelos raios solares que entravam pelas frestas da persiana. O local tinha um insuportável cheiro de fumo, que instigou os invasores a tossir freneticamente.

Uma silhueta alta e esguia ocultava-se entre as sombras, tendo apenas alguns brilhantes como destaque. Red recorreu a sua mochila, retirando uma lanterna para que pudesse visualizar nitidamente a área, mas antes que pudesse fazer o dono da silhueta desapareceu com uma risada malévola- Leaf sentiu calafrios.

-Argh!- praguejou o ruivo- Eles já evacuaram a área. Escaparam mais uma vez.

-Blue, nos encontramos mais uma vez – falou uma voz masculina atrás de dele.

-Archer!- exclamou, com voz falha.



Todos viraram para trás, assustando-se com a presença de uma figura masculina recostado nas laterais da porta. O homem era alto e esguio. Ele aparentava possuir um cargo superior dentro da organização pelo fato de suas vestes serem divergentes das demais. Suas roupas consistiam em uma calça lisa branca, uma confortável regata preta e um colete do mesmo tom da calça decorado com o brasão dos Rockets. Ele trazia uma sensação de superioridade com sua feição seria e inabalada, apenas com um sorriso de canto discreto.

-Você é mesmo persistente- lançou um olhar avassalador à Blue, em seguida, arrumou seus cabelos esverdeados que estavam bagunçados – Desta vez, lhe darei eu mesmo uma lição que nunca deixarei que se esqueça.

-Quem você pensa que é pra falar assim com meu amigo?Seu cara de torta de limão – se interveio Leaf, alterada.

-Parece que temos uma pirralha bem corajosa aqui. Hum... O chefe adora pessoas com você. Ele diz que é uma ótima sobremesa!

A fúria tomou posse da garota de tal forma que nem os poderes milagrosos da Árvore da Vida poderiam fazer algo a respeito. Ela desferiu um forte tapa na cara do rapaz de cabelos verdes, deixando um desenho perfeito de sua delicada mão no rosto dele. Em resposta, ele agarrou seus longos cabelos e puxou, induzindo-a a grita de dor, e depois a chutou com a pisou como se fosse uma folha de papel.

-Covarde!Não se agride uma dama- resmungou Rick, ajudando sua companheira a se recompor.

-Hahahaha!Meu caro, eu sou superior a qualquer regra que essa sociedade impura impõe.

-E-Eu só tenho pena de você, pois eu irei fazê-lo de tapete para que eu possa desfilar para a minha glória- todos ficaram boquiabertos com a atitude da menina. Em outra ocasião, ela apenas teria gritado, chorado e reclamado como uma garota mimada, mas provavelmente aprendera a amadurecer nesse breve caminhada que compartilhara com Red e Longdon.

-Pirralha, você é interessante. O chefe adora ‘corajosos’, ele diz que são ótimos pratos de entrada- ele cuspiu no rosto de Leaf, que cedeu uma lagrima de ódio.

-Queime no inferno, Desgraçado!- bradou, como um grito de guerra. Todos os presentes lançaram suas armas mais poderosas: as pokebolas.

Num piscar de olhos, diversas criaturas materializaram-se na sala. Um cavalo-marinho azulado posicionou-se na frente da mestra, como um escudo, Bulbasaur colocou-se na linha de frente em conjunto com experiente Cubone e um pokemon que tinham vários raios tatuados em sua pele, Electabuzz.



Do lado inimigo dois guerreiros surgiram. O primeiro era um morcego gigante azulado dotado de uma grande boca recheada de presas afiadas com veneno letal. Suas asas largas, para conseguir sustentá-lo no ar, pareciam duas laminas capaz de corta até mesmo o meta mais espesso. O outro era um tanque de gás de gás venenoso mutante de três cabeças, com tamanhos alterados, tingido levemente de roxo. Na cabeça maior uma caveira fora cravado em tom branco. A expressão de tristeza era nítida em suas faces.



-Desfrutem da mais nova invenção da Team Rocket, Weezing- vangloriou-se.

-Weezing, wee- grunhiu o pokemon, acuado.

- Você é louco?Não percebem o quanto essas suas experiências fazem os pokemons sofrerem?

-Ele deveria estar feliz, ele é a primeira criação perfeita que tivemos.Agora poderemos revolucionar o mundo pokemon.

-E quanto às vidas foram sacrificadas para conseguir atingir seu objetivo?Não sentes nenhum remorso?- indagou Rick à Archer.

-Sempre sacrifícios serão necessários. Eu realmente não ligo!- mal as palavras saíram de sua boca, Scyther, ainda debilitado, submeteu-se ao ataque, mas foi repreendido por Red.

-Eu cuido disto. Descanse, por favor- o pokemon demorou a atender ao pedido de Red, mas enfim confiou no moreno – VocÊs falam muito, vamos ver o quanto são habilidosos.Adoro brincar com minhas presas.Weezing, espalhe a discórdia.Poison Gás!
De todas as saídas do corpo de Weezing um gás com diversas substancias toxicas foi liberado, e de repente, o cômodo estava coberto por um manto roxo. Todos recorreram a tapagem das narinas, mas infelizmente não conseguiram ficar sem respirar por muito tempo.Quando foram obrigados a respirar tomaram um grande susto, não sentiam nada de anormal com o ar em sua volta.

-Como isso é possível?- perguntou o treinador, incrédulo.

-Os poderes da Árvore da Vida, os poderes da Árvore da Vida- repetiu Blue – Eles são regenerativos.

-Droga!- praguejou- Golbat acabe com eles de uma vez, Wing Attack.

-Vá de encontro com Headbutt – ordenou à Cubone.

Golbat voou o mais alto que pode a desceu em uma velocidade considerável com suas asas abertas. Porém, o capacete de osso de Cubone era imbatível, o morcego não conseguiu sequer fazer um arranhão, recebendo uma cabeçada fortíssima que o levou de encontro à parede. Enfraquecido, foi completamente exterminado com facilidade por uma potente descarga elétrica proveniente do pokemon de Blue.

O quarteto comemorou.

-Apenas estou no começo. Double Hit, sua aberração.

O Pokémon pareceu não gostar do comentário e fuzilou o treinador com o olhar, por fim, obedeceu. Contudo, ele não atacou os inimigos de batalha, mas partiu de encontro ao Scyther, que jazia repousando. Ágil, o inseto reagiu, mas não foi preciso, Red se colocou na frente do pokemon, recebendo todo o ataque.

-Red!- gritou Leaf, desesperada.

-Não se preocupem, eu estou bem. Apenas ensinem a esse idiota uma lição.

-Tudo bem. Horsea... ‘“para o alto e avante”- falou Leaf, ignorante dos movimentos de seu pokemon.Horsea ficou confuso e a coordenadora apreensiva.Rick acabou por citar alguns golpes de Horsea no ouvido da moça – Bubblebeam.

Horsea lançou uma saraivada de bolhas cintilantes em direção a Weezing, que conseguiu desviar com certa facilidade. De repente, ele começou a girar em torno do próprio eixo com grande velocidade, era o golpe Gyro Ball. Antes que pudesse atingir o cavalo-marinho, Bulbasaur o interceptou com vertiginosas vinhas, utilizando-as de estilingue para jogar o inimigo contra a porta, que se fez em mil pedaços com o impacto.

-Desista. Você perdeu.

-Posso ter perdido, querida, mas cumprirei minha promessa.Morram, Explosion!

Os garotos ficaram estupefatos, e Leaf foi obrigada a abafar um gritinho.Aquele ataque fora proibido desde o século anterior, quando foi demasiadamente usado na II Guerra Mundial, por causar sérios  danos tanto ao usuário quanto aquele que o recebe.O poder de destruição era tamanha que poderia extinguir 15% de toda a Veridian Forest.

“Não!!!”, bradaram em conjunto, inutilmente.Todo a área foi consumida por um barulho ensurdecedor capaz de chegar aos ouvidos das cidades mais próximas e por labaredas esfomeadas que espalhavam o caos por onde tocavam.A base da Team Rocket ruiu em chamas,nenhum ser vivo poderia sobreviver aquilo,todavia, a Árvore da Vida que conservou-se intacta.De algum modo, inexplicável, as chamas não se propagaram mais do que quinhentos metros, não atingindo a floresta.

Red abriu os olhos, com a visão ligeiramente desfocada. Fitou seu redor, todos seus amigos estavam ali, incólumes, dormindo- juntamente com Scyther e os demais pokemons. Por um momento pensou que estava no paraíso, pois ele sabia que não haveria chances de sobreviver a aquele atentado. De repente, uma figura rosada flutuou ao seu redor. Suas orbitas azuis, como o mar, brilhavam mais que qualquer diamante existente. Ela esboçava um sorriso que não cabia em seu rosto, à medida que sua longínqua calda espiralava em torno do próprio corpo.



-Mew – sibilou, as palavras saíram da sua boca sem que notasse.Ele não sabia como 
sabia o nome daquele pokemon.Simplesmente sabia.

- Oh meu grande rei. Vejo que você cresceu bastante desde a última vez que o vi- falou Mew, sua voz era tão doce quanto uma a melodia de um piano.

-Grande rei?C-Como conseguimos escapar?

- Ninguém pode realmente morrer próximo da Árvore da Vida. No máximo, ficar em coma por longos anos. Eu apenas dei uma ajudinha- desferiu uma piscadela para o garoto – E eu sempre lhe chamei de Grande Rei desde que você nasceu.

Ele exigiu explicações mais detalhadas.

- Não posso falar muito agora, caro Red. Apenas venho lhe fazer um pedido: impeça que a Equipe Rocket prossiga com seus planos. Se não o fizer todo o mundo que conhecemos deixará de existir. Além do mais, aquilo que você mais deseja se encontra lá.

- O que eles pretendem fazer? E o que eu mais procuro?- bombardeava de perguntas o garoto, confuso não só por está conversando com um pokemon, mas pela mesma dizia coisas completamente fora de questão.

-Preciso ir. Seus amigos estão prestes a desperta. - antes que Red pudesse questionar o pokemon rosado desapareceu com a brisa.

Demorou longos vinte segundos até que seus amigos despertassem. Red não deu muita importância, ele ainda estava mergulhado em pensamentos sobre o que acabara de presenciar. Será que tudo fora real?







Nenhum comentário:

Postar um comentário