domingo, 21 de abril de 2013

Capitulo 04






Um amigo para toda vida






A consciência regressava. Um quarto de hospital se erguia de fronte ao garoto que repousa em seu leito. Uma janela permitia a entrada dos raios solares e de ar puro, arejando o local. Estava calor e o garoto resolveu livrar-se da coberta, usualmente branca, e percebeu que ele estava ligado a alguns aparelhos.



Ele não fazia idéia de que forma havia sido levado até ali. Suas lembranças eram conturbadas: Gyarados, piratas, policiais, Alex... Alex!O que teria acontecido com ele?Será que tudo não se passou de um simples sonho durante o seu provável estado de coma?

Uma enfermeira adentrou o quarto abruptamente. Ela fitou o garoto e esboçou um sorriso cordial, mostrando-se feliz pela recuperação do paciente. Red permaneceu em silêncio. A moça checou o estado do garoto e o tranqüilizou. Retirou-se e voltou momentos depois com a feliz noticia de que ele recebera alta. Ele resolveu não questionar nada a ela.

O menino levantou da cama e alterou a roupa hospitalar pela própria que estava ao lado da cama, utilizando seu usual boné. Percebeu que sua mochila repousava no chão rente o suporte dos aparelhos. Agarrou-a e zarpou, indo para recepção. Passou por alguns corredores, onde das janelas era possível ver as devastações das enfermidades, e desceu escadas escorregadias até chegar ao saguão.

Lembrou-se de que deveria pagar sua estadia no hospital, que mesmo não sendo luxuoso era privado, com o pouco dinheiro que levava. Quando chegou ao balcão, foi surpreendido por um senhor de idade avançada. O mesmo possuía cabelos grisalhos, face enrugada, e corpo fora de forma. Vestia um jaleco branco, o qual transmitia um ar de seriedade.

-Red Newhouse?- indagou, como se já soubesse a resposta. O garoto retribuiu um aceno afirmativo com a cabeça. - Eu sou Samuel Oak, um grande amigo do seu avô.Ele me pediu para que cuida-se de você na sua estadia em Pallet.

-P-Professor Oak?- ele estava totalmente incrédulo- eu sou um grande fã das suas teses!O senhor sempre tem alguma participação em meus seminários e...Arceus, eu estou falando com Samuel Oak, um dos inventores da pokedex!- falava sem interrupções, eufórico.

-Acalme-se, acalme-se!-pacificava a euforia do moreno- vamos passear um pouquinho por Pallet Town, você está necessitando. Ah, e não se abale com a conta do hospital, eu já resolvi tudo.

Os dois saíram da aglomeração do hospital e foram passear por Pallet.O ar puro inigualável da pacata cidade entrava nas narinas de Red, os pequenos pokemons davam vida ao local juntamente com a linda flora do município.Todos os habitantes pareciam saudáveis e felizes, e davam a idéia de que cada um conhecia o outro como si mesmo.Sem mencionar,os simplórios casebres traziam em si arquitetura  do século passado.

                                                 

Os dois se acomodaram em um banco de mármore numa pequena praça no centro da cidade. Algumas crianças se divertiam nos brinquedos públicos, outras se brincavam com alguns rattatas e pidgeys que não tinham receio em interagir com os menores. Ambos demoraram em iniciar o colóquio, pois cada um apreciava as dádivas que a mãe natureza lhes proporcionava. Red foi quem tomou a iniciativa:

-Professor, você sabe qual o motivo de eu ter ir parado em um hospital?Estou meio confuso.

-É provável que sim.- disse ele, olhando para os diversos formatos das nuvens que eram abundantes naquele céu de fevereiro- Enquanto você cruzava a pequena rota marítima, que liga Cinnabar á Pallet,seu barco o foi surpreendido por malfeitores que raptaram todos os passageiros.A policia foi em operação de resgatar, mas o destino é sempre imprevisível- ele suspirou- um rebanho de Gyarados atacou o navio, onde todos os reféns se encontravam, e tivemos cerca de cinco mortes.Você foi encontrado boiando sobre uma tabua.

O coração de Red gelou. A hipótese de que Alex havia morrido invadiu sua mente. Ele nunca se perdoaria por aquilo. E aqueles piratas... não iriam sair impunes.

-Os vagabundos conseguiram fugir, infelizmente. - pela primeira vez Samuel cedeu a feição séria, dando algumas gargalhadas- Você se parece bastante com alguém que conheci alguns anos atrás.Nem iniciou sua jornada e já se meteu em confusões.

-Professor, adorei a conversa e ter conhecido uma grande lenda como o senhor, mas preciso partir.-virou-se, pronto para partir, mas foi interrompido pelo macróbio:-Onde pensa que está indo?-o garoto de boné virou-se, respondeu com entonação- Vingar-me daqueles babacas!

Red tentou correr antes que Oak fizesse-lhe mais perguntas, mas o mesmo segurou firmemente seu braço e olhou pela primeira vez diretamente nos olhos.

-Red não é assim que as coisas se resolvem. Eles já devem estar a milhas de distância, possivelmente nem estão mais em Kanto.- tentava convencê-lo, sem sucesso.

-Preciso encontrá-los. Eles têm que pagar por tudo que fizeram!-exclamava, com lagrimas de canto. O pensamente de óbito de Alex era muito forte.

-Não vou permitir- disse ríspido- vamos até o meu laboratório, tomar uma xícara de café.

Red parecia irredutível, mas acabou cedendo, relutante. Decorreram-se poucos minutos até chegarem ao laboratório.Era uma imensa propriedade aos arredores da cidade, sobre um morro.Uma grande escadaria levava os visitantes até o local donde magníficas descobertas eram feitas todos os dias, e as quais sempre surpreendiam o mundo.

O laboratório era pintado em cor caramelos, com telhas avermelhadas. Possuía cerca de três andares e tinha sua divisão em vários cômodos. Nos fundos, um catavento fora instalado para gerar energia sustentável, assim não agredindo o lar das criaturas que tanto prezavam. O quintal tinha o dobro do tamanho da cidade, onde incontáveis pokemons habitavam alegremente, recebendo os cuidados necessários todos os dias.



Samuel retirou do bolso das calças de algodão marrons uma penca de chaves, a qual utilizou para abrir as portas do laboratório de pesquisa. Red assentou-se em um humilde sofá no vestíbulo da residência, enquanto aguardava a xícara de café oferecida pelo renomado pesquisador.

Mr.Oak serviu a bebida e acomodou-se, puxou uma conversa cordial, fazendo esforço para não trazer o assunto dos piratas novamente, evitando uma nova revolta do jovem.

-Seu avô me contou por telefone que você está decidido a se tornar um treinador Pokémon- comentou, cruzando as pernas.

-Correto. Estou precisando respirar um pouco. -desabafou.

-Ah sim, eu às vezes preciso da uma pausa, jogo tudo pro alto e viajo pelo mundo para relaxar. Enfim, você já tem algum parceiro, digo, um Pokémon?- perguntou interessado.

-Não, senhor. Eu vim a caminho de Pallet exatamente por este empecilho.

-Imagino que sim. Siga-me.

Os dois ascenderam dos assentos e foram para um cômodo abarrotado de computadores. Muitos papeis estavam jogados pelo chão, e havia comidas espalhadas que pareciam estar ali há meses pelo cheiro que exalavam. ”Não repare na bagunça”, disse o professor envergonhado.

O pesquisador se direcionou até uma maquina, protegida por uma capa de vidro espesso, onde um pequeno dispositivo repousava.Sua coloração era rubra e metálica, e um botão posicionava-se no centro.O homem de jaleco lançou para o alto, acionando a mesma.Dela um raio foi lançado contra o chão materializando um criatura esverdeada.

            Image by: all0412

Era uma espécie de repitil quadrúpede, possuía sua pele manchada em verde forte, garras pequenas afiadas e olhos rubros. O bulbo que crescia em suas costas era chamativo e os quase imperceptíveis dentes na boca brilhavam, mostrando que ele era bem cuidado. Este parecia ser um pouco grande para um Pokémon inicial, e mostrava-se meio acanhado com a presença do garoto.

-Este é Bulbasaur. -apresentou a criatura-Ele está aqui algum tempo, pois essa nova geração repudia Pokémon Grass e Bug por acharem que são fracos, o que é totalmente sem fundamento.

-Ele se parece um pouco comigo, acredito que seremos grandes parceiros. - Red tentou afagar a pequena criatura, esta recuou, mas depois percebendo que de que o garoto não iria ferir-la recebeu o carinho sorrindo. -Você quer seu meu amigo?

-Bulba- grunhiu, consentindo.

Samuel pegou uma pequena caixa de madeira onde nela se encontravam alguns aparelhos. A principio uma pokdex, aparelho que contém todas as informações já descobertas pela ciência sobre os pokemons, e um conjunto de pokeballs virgens.
                                 


-Não estou acreditando que eu tenho uma pokedex!- falava,animado.

-Tenho convicção de que lhe será extremamente útil.

Red passou a maior parte do dia no laboratório, na companhia de Oak e Bulbasaur, tentando construir uma amizade com seu novo amigo.No inicio da tarde, ele resolveu que era hora de partir.Pegou suas coisas e saiu com a planta para o norte da cidade.

Demorou meia hora para alcançar o local desejado, a rota 01.Era campo aberto, coberto por vegetação rasteira e altas arvores que forneciam sombra.Pokemons de level baixo habitavam ali, por isto jovens treinadores aproveitavam a inocência das criaturinhas para treinar.

Na entrada uma pequena placa de madeira, já desgastada pelo tempo, sinalizava: ROTA 01, onde os bebês começam a engatinhar.

A verdadeira aventura começa.A rota 01 pode parecer pacifica, mas é um local cheio de desafios.O que será que Red e Bulbasaur irão encontrar pelo longíquo caminho que trilham?E o que aconteceu com Alex?Não deixem de acompanhar Neo Pokemon Kanto!


                                                         







4 comentários:

  1. Oi Gabriel! Me perdoe por demorar a comentar, a vida tem sido muito corrida esses dias. Gostei bastante desse capítulo, apesar de pequeno serviu bem para relatar o início da jornada do garoto.
    Achei bem legal o fato dele não começar com Charmander, que apesar de ser o meu preferido, é sempre o escolhido por todos deixando de lado os outros iniciais que também são muito poderosos. Quero ver esta pequena planta crescer e brilhar muito nos ginásios! No geral é isso, não tenho muito pra falar pois como já disse, o capítulo foi pequeno.
    Aguardo ansiosa para ver o primeiro dia da jornada de Red!
    Abraços ;-)

    ResponderExcluir
  2. ola comecei a ler seu blog essa semana gostei bastante

    ResponderExcluir
  3. Ola pessoal, perdoem-me por não responder antes.

    Sim Carol-chan eu prometi que os capitulos seriam mais longos mas infelizmente a vida me tira muito tempo e acabam ficando breves.Charmander é muito clichÊ.Mas não deixo de afirmar que ele já foi uma opção bem forte, e depois de pensar bem achei que o Bulbasaur encaixa melhor com o Red.

    Não, ela não vai brilhar nos ginásios.Ela vai divar e mudar as formas de batalhas já conhecidas na face da terra.Aguarde, ela é mais astuta que o proprio mestre.

    Bem-Vindo Marco Antonio a Neo Pokemon Kanto.É imensuaravel a minha alegria de saber que tenho um novo leitor, espero ver você dando as caras aqui.

    ResponderExcluir
  4. Ei Gabriel!

    Cara, esses dias eu abri a minha conta para fazer sei lá o que, e nas notificações dos blogs que eu sigo tinha uma justamente da Neo Kanto! Fiquei feliz que continua levando sua história a frente, e fazendo tudo no seu ritmo torna tudo menos cansativo. Quando gostamos do que fazemos a pressa some, e tudo vira uma questão de tempo.

    Agora o Red finalmente recebeu seu inicial e partirá em jornada. Eu curti bastante o fato de você ter colocado ele com um Bulbasaur, que é o que eu escolho na maioria das vezes entre os iniciais de Kanto! Muita gente não sabe, mas no mangá o inicial do Red é o Bulbasaur, enquanto o Green tem um Charmander. Mas infelizmente o nosso querido amigo grass-type é muito subestimado, como o próprio Oak comentou. Ainda mais porque um Venusaur bem treinado pode se tornar um tanque de guerra no competitivo!

    Resta saber agora o que aconteceu com o Alex. Foi um acidente feio, mas acredito que ele não teria morrido. Se bem que as apostas que tenho feito nas histórias que ando lendo estão quase todas erradas! Nunca fui bom em adivinhações. Mas ainda creio que ele esteja vivo e voltará para se tornar um bom rival do Red.

    Nos vemos!

    ResponderExcluir